JAGUAR MAGAZINE #07

  • Jaguar
  • Revista
  • Wang
  • Arte
  • Villanelle
  • Portland
David Gandy e seu XK120 brilham no bairro criativo de Londres | Como a caridade In Place of War leva criatividade em zonas de conflito | Designer de interiores Joyce Wang conta sobre as últimas tendências de luxo | O ano de maior sucesso da Panasonic Jaguar Racing na Fórmula E | Conheça o novo diretor de design Julian Thomson

DE MATAR Luke Jennings,

DE MATAR Luke Jennings, criador da assassina favorita do mundo, explica o fascínio de Villanelle de Killing Eve e como a adaptação para a TV de seus livros originais acertou no elenco História Olly Richards Q uando Luke Jennings começou a ter idéias para o personagem que se tornaria a Villanelle, a assassina icônica de Killing Eve, ele tinha duas palavras em mente: “Escandalosamente divertida”. Embora existam muitas outras palavras que você poderia usar para descrevê-la, essas duas são as melhores. Tanto no conto original de Jennings, Codinome Villanelle, e interpretada por Jodie Comer na série de TV, Villanelle é uma personagem que faz você morrer de medo e gargalhar ao mesmo tempo. Uma órfã russa, tirada da prisão por um sindicato do crime secreto e treinada para se tornar uma assassina, Villanelle ama seu trabalho, e adora uma perseguição de gato e rato com Eve Polastri, uma agente da MI5 encarregada de achá-la. Ela é facilmente uma das vilãs fictícias mais carismáticas da última década. Em 2013, quando ele começou a escrever a primeira história de Villanelle, Jennings já era um romancista bem sucedido (seu livro Atlantic foi até nomeado para o prêmio Booker, mas ele queria escrever algo puramente para entreter, com personagens que não seguem os padrões típicos do gênero thriller de crime. Foi quando a Villanelle apareceu. “Ela surgiu totalmente formada em minha mente”, diz Jennings. “Eu estava lendo muito sobre psicopatia. Estava pensando em como alguém poderia ser como ela; o que poderia ter acontecido com ela quando criança para torná-la a adulta que é. Ele não queria criar a psicopata típica da televisão, que não tem sentimento ou emoção. Ele leu estudos sobre psicopatas que estão cientes de sua própria psicopatia, mas não sentem vergonha, e teorias que os psicopatas podem sentir amor ou empatia, mas escondem. Ele queria criar uma personagem que fosse uma assassina aterrorizante, mas consciente de que ela sabia exatamente quem era e não dá nenhuma desculpa para isso. De certa forma, ele queria criar o pior tipo de monstro: um sem causa ou motivo, que comete atos terríveis simplesmente porque eles amam. Muitas coisas foram pensadas para formar o DNA da Villanelle. Em parte, Jennings se inspirou na vida de Idoia López Riaño, uma membra do grupo separatista basco ETA na década de 80. Conhecida como La Tigresa, ela seduzia policiais espanhóis, em seguida, os matava em nome da independência basca. “Ela foi fascinante para mim”, diz Jennings. “Ela era articulada e atraente, alguém que poderia ter tido uma vida bem sucedida fora de tudo isso... Ela parecia realmente gostar de matar. Jennings usou isso com a Villanelle para modelar seus assassinatos obscuros e elaborados, que são sempre muito mais complicados do que eles precisam ser, porque ela gosta, como Jennings diz, de matar. 16 / 5GXKUVC -CIWCT

(PVTGXKUVC Instinto assassino Luke Jennings (página oposta), diz que Villanelle, interpretada por Jodie Comer (à esquerda), "surgiu" em sua mente (W GUVCXC RGPUCPFQ em como alguém RQFG UGT EQOQ GNC Q SWG CEQPVGEGW EQO GNC SWCPFQ ETKCPC RCTC VQTPNC C CFWNVC SWG 5GXKUVC -CIWCT / 17

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE #07

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

A biblioteca

JAGUAR MAGAZINE #07
THE JAGUAR 06
THE JAGUAR 05
THE JAGUAR 04
The Jaguar 03
The Jaguar 02
The Jaguar 01

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2016

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.