The Jaguar 01

  • Jaguar
  • Carro
  • Anos
  • Corrida
  • Apenas
  • Ainda
  • Carros
  • Cidade
  • Nova
  • Corridas
Neste número, voltamos ao automobilismo de alto nível de uma forma pouco convencional e aceleramos o desenvolvimento de trens de força elétricos. Além disso, apresentamos o veículo Jaguar I-PACE Concept - um novo modelo revolucionário, já disponível para reserva, para entrega em 2018.

FORMULA E junto com

FORMULA E junto com Mônaco, Montreal e outros – não representa apenas uma nova oportunidade única de entretenimento, mas também enfatiza a necessidade de sustentabilidade. A Fórmula E sabe que não pode confiar na rede local para carregar os carros; pensando nisso, um gerador diesel Cummins foi convertido para funcionar utilizando um subproduto do biodiesel de glicerina livremente baseado em algas marinhas. A unidade, os cabos e a caixa de controle acompanham a série ao redor do mundo em três contêineres marítimos e produzem energia mais que suficiente para manter todos os 20 carros de corrida carregados. A utilização bem-sucedida da energia elétrica em carros mainstream representa a dissipação de problemas-chave, tais como a ansiedade de alcance, tornando-os uma fonte de energia tão confiável quanto possível. Enquanto o esporte se esforça para construir a sua credibilidade entre um público de automobilismo acostumado com uma combustão interna ruidosa, a importância da Fórmula E para a Jaguar é evidente. Não se trata apenas de uma questão de automobilismo e entretenimento, mas sim de parte de um ethos que perpassa toda a empresa em sua “Corrida pela Inovação”. A aquisição de dados é outro ponto crucial: durante um evento de Fórmula E, cada bateria registra cerca de 1GB de dados por dia e pode ainda registrar 500 canais de dados até 1000 vezes por segundo. Mais um pouco de conhecimento inútil para sua próxima festa: cada célula de bateria tem 25 vezes mais energia e pode fornecer 400 vezes mais potência do que uma bateria de telefone celular. As próprias baterias têm carga o suficiente para recarregar um smartphone por 4745 dias consecutivos e contêm a mesma quantidade de energia que 10.000 pilhas alcalinas AA convencionais. “Muito do que sabemos sobre combustão interna já é passado – você está construindo algo sobre o trabalho de seus antepassados”, diz McNamara. “Com as baterias, estamos no Velho Oeste, estamos fazendo grandes perguntas sobre a melhor forma de resfriá-las, sobre o que está acontecendo, de fato, nessas células... é uma área muito desafiadora, com menos soluções definidas. Richard Devenport, gerente de pesquisa da Jaguar na Fórmula E, está convencido de que o ponto de inflexão da eletrificação é iminente, e retoma os temas de McNamara. “O automobilismo impulsiona a inovação e sempre tem sido assim. Não temos anos e anos de experiência com motores elétricos. Com a combustão, tivemos 120 anos de desenvolvimento – você repete e segue em frente. Estou fazendo um loop no que está acontecendo aqui na Jaguar em tempo real. Não espero até o final do ano para escrever um relatório. Se vale a pena fazer, estou no telefone na manhã seguinte.” “Esta tecnologia está evoluindo muito rápido. Pense em como os telefones celulares mudaram na primeira década dos anos 2000, nas atualizações que estavam acontecendo. Essa é a situação atual dos veículos elétricos. Chegaremos em um ponto em que o alcance da bateria será otimizado. Então a Gerd Mäuser (em cima, à esquerda), Presidente da Panasonic Jaguar Racing, com o piloto Mitch Evans, e James Barclay (acima), o Diretor da Equipe, permanece atento à sua estreia da equipe ansiedade de alcance desaparecerá e o foco será na movimentação e na redução do peso. Os próximos anos serão absolutamente fascinantes.” Estamos, por fim, diante de uma série de corridas que se resume a 20 gladiadores tentando enganar uns aos outros contra um pano de fundo mutável de variáveis. “Os pilotos estão muito ocupados nos carros”, diz o chefe da equipe, James Barclay. “Eles têm que conduzir o mais rápido possível e, ao mesmo tempo, cumprir seus objetivos referentes à energia – é essa a questão neste campeonato. Há mais “regen” este ano, e tentar ser rápido enquanto se regenera pode ser difícil, pois há mais resistência no eixo traseiro. É semelhante a quando você tem muita inclinação do freio na parte traseira. Há três modos eficazes de lidar com isso: você pode levantar e costear, você pode colher energia com a frenagem, ou você pode puxar um botão no volante para desencadear a regeneração. O motorista precisa desenvolver a melhor técnica, enquanto acelera, ultrapassa ou se defende em um circuito de rua acidentado.” Inovadora. Sustentável. Competitiva. A Fórmula E traz um desafio inovador e eletrizante à vida dos pilotos. FOTOS: SPACESUIT, LAT 40 THE JAGUAR

PILOTANDO NA FÓRMULA E: HÁ DOIS ANOS O ESCRITOR JASON BARLOW TEVE A OPORTUNIDADE EXCLUSIVA DE DIRIGIR UM DOS PRIMEIROS PROTÓTIPOS DA FÓRMULA E. SEGURE-SE! Bem, é estranho. Tal como em todo o carro de corrida moderno, o arnês de corrida, o capacete, o dispositivo de HANS e os lados protetores da cabine do piloto passam uma forte sensação inicial de claustrofobia. O movimento físico é totalmente restrito. Mas na Fórmula E, o estranhamento vem ainda em outra forma imprevisível: eletricidade. A bateria do carro está envolta em uma estrutura de carbono inteligente e há um sistema de segurança de camada tripla. Uma luz verde à minha frente ficará vermelha se tudo falhar e, caso isso aconteça, eu preciso escalar pela frente do carro e saltar para baixo. Faça qualquer outra coisa e, bem, você se lembra de suas aulas de física, certo? Ele rapidamente vira um gel. A volante tem uma tela de LED que pisca, monitorando os sistemas do carro, a velocidade e o delta da volta. Abaixo, encontramos uma série de botões giratórios, o mais importante prescreve o ECU para fornecer a potência de qualificação máxima equivalente a 270bhp, ou o modo de corrida de 180bhp. Creio que seja aconselhável começar assim. Este protótipo pesa cerca de 950 kg comigo a bordo, então será rápido o suficiente para manter a minha atenção, especialmente em torno das curvas e cristas de Donington. A velocidade máxima é limitada a 240 km/h, mas atingir 90 km/h leva menos de três segundos. O torque instantâneo a partir da alimentação elétrica é sua qualidade mais viciante. Pelo menos ele é seco – a famosa Craner Curves, quando molhada, fez com que condutores muito melhores do que eu derrapassem. É reconfortante, no entanto, a facilidade de se dirigir um carro de Fórmula E. Não é preciso se preocupar com a temperatura nos pneus. Não há necessidade de pânico, também, quanto a entrar em uma grande zona aero devido à relativa falta de downforce (a FIA não queria equipes atrás de custosos ganhos incrementais aerodinâmicos, portanto não há muito downforce). Basta pisar no acelerador e se segurar. O chassi é fantástico e em uma pista seca você teria que se esforçar muito para sobrecarregar os Michelins. Os esforços da equipe de desenvolvimento em condutividade saltam aos olhos – o carro simplesmente flui, até que as baterias acabem. Você sente falta da sensação dos pistões nos cilindros, ou daquele coquetel explosivo de combustível/ar? Menos do que você imagina. O poder da eletricidade garante uma emoção contínua, um tipo diferente de energia, sim, mas ainda assim propulsiva. O avanço do ar ao redor da cabine aberta e o ruído do pneu preenchem as lacunas do arsenal sônico do carro. Os veículos também se tornarão mais poderosos à medida que a eficiência da bateria melhorar. A durabilidade do pneu ao longo da temporada foi um objetivo declarado desde o início (os pneus são diferentes para a terceira temporada) e há uma enorme aderência – a qual não impede, no entanto, que os carros deslizem em ruas empoeiradas e acidentadas, como vimos nas duas primeiras temporadas. “Eles podem ser bastante animados nesses circuitos de rua”, diz o piloto da Jaguar, Adam Carroll. “Os carros são muito mecânicos. A aerodinâmica não sobrepuja a aderência mecânica, motivo pelo qual os carros podem seguir uns aos outros com tanta proximidade.” Não apenas uma corrida para a inovação, mas também um vigoroso espetáculo automobilístico. THE JAGUAR 41

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2020

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.