The Jaguar 03

  • Jaguar
  • Carro
  • Linha
  • Melhor
  • Anos
  • Carros
  • Corrida
  • Mundo
  • Cidade
  • Nova
O último número da revista The Jaguar apresenta o nosso novo “filhote”, o E-PACE, um esportivo prático e compacto que já chama a atenção nas ruas. À medida que nos comprometemos com a eletrificação de todos os automóveis Jaguar a partir de 2020, analisamos como a superação de limites nas pistas ajuda a desenvolver nossos esportivos, quer seja fazendo história no automobilismo em Le Mans ou encarando Nürburgring com o radical XE SV Project 8 e utilizando a tecnologia de última geração no Campeonato de Fórmula E da FIA.

MACH 2 A decolagem do

MACH 2 A decolagem do Concorde era uma festa para os sentidos. Ostentando o desempenho de um jato militar e a graça de um cisne, cada voo era uma ocasião a ser desfrutada. Abaixo: Os modernos painéis de voo já entraram na era digital há muito tempo, mas não há como negar o poder de um medidor analógico Mach 2 + tonia dos voo subsônicos. Neles, apenas os níveis de conforto da classe executiva foram aprimorados, mas os tempos de voo continuam os mesmos. A viagem de Nova Iorque à Londres leva cerca de 7 horas e meia. No Concorde normalmente levava 3 horas e meia. A start-up Boom Technology, sediada em Denver, quer retomar de onde o Concorde parou. Ela anunciou que contribuirá com fundos no montante de US$ 33 milhões com o primeiro voo teste do enigmático demonstrador batizado de XB-1, planejado para até o final de 2017. A Boom planeja construir uma aeronave supersônica com capacidade para mais de 40 pessoas que seja capaz de voar a 2.300 km/h. Isso vai reduzir o tempo de viagem de Nova Iorque a Londres para 3 horas e meia, como o Concorde fazia. Enquanto as passagens do ícone anglo-francês custavam algo em torno de US$ 20.000, o fundador e CEO da Boom, Blake Scholl afirma que a passagem de ida e volta em seu moderno transporte supersônico custará meros US$ 5.000. Scholl não é o clássico pioneiro no setor aeroespacial. Sua ascensão ocorreu enquanto estava na Amazon.com, onde enriqueceu por suas habilidades de codificação. Juntando a licença de piloto privado, o desejo da start-up é transformar o setor para melhor. Scholl logo chegou à conclusão de que o transporte supersônico era técnica e economicamente viável. “Eu comecei tudo isso por nunca ter voado num Concorde. Eu esperei, mas ninguém o fazia. Então, decidi fazê-lo.” Os maiores investimentos não demoraram a chegar, principalmente do Vale do Silício, mas um investidor de fora se destacou. O fundador do Virgin Group, Richard Branson, que também havia fundado sua própria empresa aeroespacial, a Virgin Galactic, ficou tão tomado pela ideia que quis opções de compra para 10 dos jatos supersônicos e afirma: “sou apaixonado por inovação aeroespacial e o desenvolvimento de voos comerciais de alta velocidade. Sendo uma inovadora no setor espacial, a decisão da Virgin Galactic de trabalhar com a Boom foi fácil.” O CEO Scholl era visionário e garantia o financiamento, mas construir o demonstrador XB-1 ficou a cargo de uma equipe de 11 pessoas com históricos mais renomados no setor aeroespacial vindos da NASA, Pratt and Whitney, General Electric, Lockheed Martin e SpaceX. Seis membros da equipe possuíam licenças de piloto e vários deles já tinham envolvimento direto em design e construção de aeronaves de alto desempenho e motores a jato. Este é o momento certo para a viagem supersônica, pois, a maior parte da tecnologia necessária para tratar as falhas que fizeram o Concorde ser retirado de serviço, só foram disponibilizadas nos últimos 10 anos. Isso inclui os compostos de fibra de carbono para a camada externa, que são mais leves que o alumínio usado no Concorde. Diferente do que aconteceu com o Concorde, a moderna simulação de computador também reduziu drasticamente o tempo necessário para finalizar o design, reduzindo os gastos com testes caros em túneis de vento. A aeronave será muito mais silenciosa graças à eficiência da fuselagem e dos motores que não precisarão de pós-combustões para atingir uma velocidade supersônica. Segundo Scholl e sua equipe já existem motores turbofan de alto desempenho prontos para uso disponíveis no mercado, que podem ser convertidos para a tarefa. O cronograma para o primeiro voo comercial é bem ambicioso. Vinte anos após o último voo comercial do Concorde, Scholl espera inaugurar sua própria aeronave de passageiros supersônica. Só então seria possível voar de Los Angeles para Sydney em um terço do tempo de voo atual que é de 15 horas. Para o visionário Scholl, mesmo o alvo mais ambicioso não é o bastante. Seu alvo gira em torno de uma ideia simples. “Eu quero viver em um mundo onde você possa ir a qualquer lugar em cinco horas por US$ 100. O que levará décadas, mas eu acredito que chegaremos lá.” Isso sim seria supersônico! FOTOGRAFIA: PETER MARLOW / MAGNUM PHOTOS / AGENTUR FOCUS, DDP IMAGES, PR (2) 68 THE JAGUAR

“ EU QUERO VIVER EM UM MUNDO ONDE VOCÊ POSSA IR A QUALQUER LUGAR EM CINCO HORAS POR US$ 100 ” Acima: O demonstrador XB-1 é projetado para ser a réplica e o teste da maior parte da aeronave final. À esquerda: O uso de compostos de carbono para a fuselagem externa é mais leve e também reduz significativamente os níveis de ruído, permitindo a integração de janelas maiores. THE JAGUAR 69

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2020

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.