THE JAGUAR 04

  • Jaguar
  • Carro
  • Anos
  • Carga
  • Autonomia
  • Desempenho
  • Mundo
  • Tecnologia
  • Tudo
  • Arte
Uma incrível viagem à bordo do elétrico Jaguar I-PACE em Portugal | Entrevistas exclusivas sobre a criação do revolucionário I-PACE | Reinventando um clássico: E-TYPE Concept Zero | Os 50 anos do icônico sedã Jaguar XJ | Uma entrevista exclusiva com a estrala do tênis Johanna Konta | Os computadores são capazes de revolucionar a arte ?

VIDA INTELIGENTE Acima:

VIDA INTELIGENTE Acima: A presença de um centro de comando será uma cena comum nas casas inteligentes do futuro. À direita: Conceitos como a South Sea Pearl Eco-Island, criada pelo escritório Foster + Partners para a China, mostram como a tecnologia pode organizar comunidades inteiras e criar um modo de vida bastante personalizado. “Os assistentes pessoais, como o Amazon Echo, estabeleceram uma base em nossos lares”, acrescenta Wilson. “Eu os vejo como precursores de uma nova onda de aparelhos conectados, fáceis de usar e capazes de lidar com qualquer assunto, desde a segurança até a comunicação.” E a lista não para por aí: hoje, um simples relógio de pulso inteligente é capaz de controlar aparelhos conectados à Internet das Coisas, como termostatos e luzes de LED inteligentes, antes mesmo de destrancarmos a porta da frente. Aliás, a própria porta da frente pode ser destrancada por comando de voz e, em um futuro não muito distante, isso será feito por software inteligente de reconhecimento facial. Em geral, tudo ficará conectado a um aparelho central – por exemplo, a TV inteligente –, o qual, por sua vez, poderá fazer constatações a partir dos dados e até tornar autônomas algumas tarefas do dia a dia com simples comandos ou gestos. O que torna tudo isso inteligente é a IA, “AS MELHORES TECNOLOGIAS CONECTADAS SERÃO MEIO INVISÍVEIS. VOCÊ NEM PERCEBERÁ QUE ELAS ESTÃO LÁ.” ou inteligência artificial. Embora ela ainda possa gerar medo de perda de controle para os robôs, “as soluções naturais só serão realmente naturais se trabalharem com os seres humanos, não contra eles”, diz Wilson. Uma rápida olhada nos aparelhos inteligentes que estão entrando nos nossos lares mostra que se trata de uma mudança verdadeiramente radical. Na CES 2018 – maior feira de eletrônicos do mundo e palco central de todo tipo de engenhoca –, o visitante podia não apenas ver eletrodomésticos robóticos baseados em IA por toda parte, mas sobretudo, falar com eles. Por exemplo, segundo seus desenvolvedores, o robô CLOi, da LG, poderá ajudar na casa inteligente gerenciando tarefas como lavagem e secagem e até acendendo seu forno – tudo através de interação humanomáquina por voz. Por outro lado, há produtos que talvez ainda precisem de mais tempo. O revolucionário vaso sanitário Numi, da Kohler, pode ser inteligente graças a seu aquecedor de assento automático e sua iluminação ambiente, mas talvez seja um exemplo de algo que ainda pode ser operado sem o auxílio de robôs ou de IA. Pelo menos por enquanto. Por fim, numa escala maior, a chegada da tecnologia inteligente também afetará o próprio modo de organizar as casas inteligentes. E, além disso, há uma ideia mais grandiosa e com um impacto ainda maior: a comunidade inteligente. FOTOS: PHOTO MONTAGE: GETTY/ZHUDIFENG; STOCKSY/AGENCIA; UN STUDIO; LG ELECTRONICS 46 THE JAGUAR

Chris Trott é diretor de sustentabilidade e sócio do escritório de arquitetura Foster + Partners. Ele acredita que a tecnologia também mudará radicalmente a maneira pela qual as comunidades se desenvolvem. “A concepção do lar está mudando profundamente. Foi-se o tempo em que as pessoas se esforçavam para ter mais coisas. Agora elas querem ter experiências.” Ou seja: trata-se muito mais dos serviços oferecidos do que dos aparelhos em si. A própria tecnologia está ficando cada vez mais integrada aos hábitos milenares dos seres humanos, adaptada para ser uma parte natural de nossas vidas digitalmente conectadas. “As melhores tecnologias conectadas serão meio invisíveis”, diz Trott. “Você nem perceberá que elas estão lá. Ao contrário: elas só facilitarão nossa vida.” Como prova dessa afirmação, já existem experimentos pioneiros como o Future Living Berlin, onde pessoas reais estão vivendo vidas reais em protótipos de comunidades inteligentes. E, nas pranchetas da Foster + Partners, encontram-se conceitos como a South Sea Pearl Eco-Island, em Hainan, China, um grande plano diretor para uma comunidade inteira, no âmbito de toda a cidade, desenvolvido em torno de soluções inteligentes para necessidades humanas básicas, como transporte, consumo de energia e manejo de resíduos. Porém, a maior parte dessas tecnologias já está entre nós, harmoniosamente instaladas nas paredes de nossa sala de estar ou repousando em nosso pulso. E elas continuarão a nos ouvir e a trabalhar conosco – não contra nós – à medida que vão sendo mescladas à nossa vida cotidiana, um “Hey, Google!” por vez. “É incrível como os assistentes domésticos ficaram úteis rápida e naturalmente”, diz Wilson. “Lembrese, apenas, de ser educado!” Segundo especialistas, assistentes domésticos robóticos como o CLOi, da LG (acima), logo estarão realizando tarefas do dia a dia na casa, inclusive organizando e gerenciando outros aparelhos inteligentes. THE JAGUAR 47

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2020

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.