THE JAGUAR 05

  • Jaguar
  • Carro
  • Corridas
  • Carros
  • Corrida
  • Mundo
  • Anos
  • Motor
  • Velocidade
  • Desempenho
Descubra um lado diferente de Eva Green | Será possível que seu próximo taxi seja um Jaguar I-PACE autônomo? | O que é preciso para quebrar um recorde em uma volta no lendário circuito Nürburgring Nordschleife | Nossos “petrolheads” competindo na nova série de corridas 100% elétricas da Jaguar | Conheça os detalhes das mais recentes edições especiais dos modelos XE e XF: o 300 SPORT

LEFT XXXXX “O PAPEL DE

LEFT XXXXX “O PAPEL DE VESPER LYND FOI UM PRESENTE. TIVE A SORTE DE INTERPRETAR UMA PERSONAGEM FORTE E HUMANA.” 46 THE JAGUAR

CINEMA E CULTURA Green, vista aqui nos bastidores enquanto filmava com o Jaguar I-PACE, adora filmes de estrada como Mad Max: Estrada da Fúria e Thelma e Louise. Pelo jeito, este é o estilo Green: ir com audácia aonde poucas atrizes foram antes, mesmo que isso signifique girar de cabeça para baixo e enfrentar a vertigem no espaço ou em uma tenda de circo. É essa postura – descolada, mas entusiasmada; ponderada, mas aventureira; tão à vontade com seus pontos fracos quanto com seus pontos fortes – que a ajudou a criar um nicho para si mesma. O público de cinema sabe que Green é uma atriz ímpar. Esta tarde, quando nos encontramos em um estúdio em Londres, Green achou um elegante sofá antigo. Em volta dela, havia vegetação e animais empalhados, o que refletia tanto sua natureza meio selvagem quanto um de seus passatempos de coleção bastante peculiares. “Há uma loja incrível em Paris chamada Deyrolle, que é a mais linda loja de taxidermia do mundo”, diz ela, abrindo uma porta para outra parte de seu mundo estranho e maravilhoso. “Tem pássaros raros, camelos, leões, tudo. Eu mesma tenho coisas de lá. Comprei uma enorme cabeça de touro – bem, na verdade, é um ancestral do touro chamado auroque, que não existe mais – porque os olhos dele pareciam estar pedindo ajuda na loja. Eu pensei: ‘Ok, você vai para casa comigo’. É bem impressionante!” SUBIDA AO TOPO O visual da própria Eva Green também é impressionante. Talvez melhor descrita como gótica chique arrojada, do cabelo azul meia-noite às botas volumosas, ela emana um ar confiante, do tipo que é necessário ser expert para dominar completamente. Está claro que entusiasmo e firme individualismo são importantes para Green em todas as suas escolhas de vida e trabalho. Ela tem sido assim – uma pessoa que não tem medo de desafiar as percepções comuns e nem a si mesma – desde o início de sua carreira, que decolou com sua estreia no cinema em Os Sonhadores, de 2003, um filme de arte tipicamente provocativo de Bernardo Bertolucci. Depois, sua trajetória ganhou o impulso de um foguete, primeiro com a participação no épico medieval Cruzada (2005), de Ridley Scott, e depois com seu papel em 007 – Cassino Royale (2006), filme que lançou Daniel Craig e que explicitamente fez renascer o interesse na série mais longa do mundo. Neste último, Green interpretou uma paquera de James Bond, Vesper Lynd. “O papel de Vesper Lynd foi um presente”, reflete ela. “Foi o papel de uma mulher muito forte, à altura de Bond, o que foi bem legal. E o fato de Bond se apaixonar por ela lhe deu substância. Era uma personagem muito humana, então tive muita sorte de poder interpretá-la.” Foi difícil para uma francesa dominar o sotaque inglês perfeito necessário para uma personagem que era funcionária do Tesouro de Sua Majestade? “Foi, sim, muito”, reconhece Green. “Eu me lembro de que, em Os Sonhadores, meu sotaque era muito francês – mas eu achava que meu inglês era tão bom! Mas, para 007 – Cassino Royale, trabalhei duro com uma instrutora de idioma maravilhosa. Ela me fez assistir a filmes dos anos quarenta para ver as respostas espirituosas, os gracejos. Mas é o ritmo que você precisa acertar. Esse foi o desafio.” O diretor do longa, Martin Campbell, mais tarde revelou que Green era tímida e quieta no set de filmagem. “Ela ficava na dela. Estava só com seu cachorro e sua instrutora de idioma. Muitas vezes, no caso das estrelas norteamericanas, tem toda uma comitiva... A Vesper do livro Cassino Royale tem algo quase misterioso, sombrio. Bond reflete sobre o fato de que você não consegue se familiarizar com ela, nunca chega a conhecê-la. A Eva tem exatamente isso. Fiquei empolgado em trabalhar com ela. E como ela mostrou resultado!” THE JAGUAR 47

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2020

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.