THE JAGUAR 05

  • Jaguar
  • Carro
  • Corridas
  • Carros
  • Corrida
  • Mundo
  • Anos
  • Motor
  • Velocidade
  • Desempenho
Descubra um lado diferente de Eva Green | Será possível que seu próximo taxi seja um Jaguar I-PACE autônomo? | O que é preciso para quebrar um recorde em uma volta no lendário circuito Nürburgring Nordschleife | Nossos “petrolheads” competindo na nova série de corridas 100% elétricas da Jaguar | Conheça os detalhes das mais recentes edições especiais dos modelos XE e XF: o 300 SPORT

INOVAÇÃO BRENDAN

INOVAÇÃO BRENDAN WALKER PROJ ETISTA DE MONTANHAS-RUSSAS Sabia que há um gene da busca de emoção?”, indaga Brendan Walker. As pessoas que têm um certo receptor de dopamina são mais propensas a buscar emoções, explica ele. “Fiz um exame de DNA um tempo atrás e tenho esse gene. O que não me surpreendeu muito.” Walker, um autodenominado “engenheiro de emoções”, ajudou a criar algumas das mais famosas montanhasrussas e atrações temáticas do Reino Unido, como a Wicker Man e a Thirteen, ambas em Alton Towers. Seu escritório de projetos Aerial é especializado em “experiências emocionantes sob medida” e permite que Walker siga sua paixão: explorar o fenômeno da emoção. “Ela é profundamente subjetiva, é claro, mas uma emoção combina o prazer – associado à dopamina – com a excitação – associada à adrenalina. Para provocar isso, você precisa de um aumento grande e rápido das duas coisas ao mesmo tempo”, diz Walker. “O medo pode tornar a jornada ainda mais radical.” Numa montanha-russa, a experiência emocional começa assim que você descobre que ela existe – através de uma propaganda na TV, por exemplo. Todas as etapas desempenham um papel, desde comprar os ingressos até entrar na fila. “O momento em que o cinto de segurança se encaixa, quando você sabe que não há como voltar atrás – essa é, na verdade, a emoção mais forte”, afirma Walker. Ele sabe disso porque monitorou e analisou as sensações e as mudanças fisiológicas de milhares de frequentadores de parques temáticos, numa tentativa de quantificar a emoção. O inglês aperfeiçoou essa análise a ponto de criar sua própria fórmula, a Walker Thrill Factor. Ele a usa para medir e classificar uma experiência emocionante ao acompanhar as reações de uma pessoa, inclusive a frequência cardíaca e as expressões faciais. “Esse é o meu lado nerd, científico”, diverte-se ele por trás de seus óculos grandes e inconfundíveis em seu estúdio na região leste de Londres. Walker cursou engenharia e trabalhou por muitos anos na British Aerospace, até chegar à conclusão de que os cronogramas de produção de aeronaves eram longos demais para seu gosto. Ele se demitiu e foi para a faculdade de arte, antes de estudar design industrial. “Eu adorava fazer experimentos. Comecei fazendo esculturas mecânicas na minha oficina. Era fascinante ver como o público reagia, observar suas emoções. Comecei a explorar a base psicológica, e isso acabou resultando numa série de instalações públicas no Museu de Ciências de Londres, as quais deram origem a meu trabalho como engenheiro de emoções.” Ao dar consultoria sobre parques temáticos, Walker usa suas pesquisas para ajudar os criadores de atrações a planejar fatores como velocidade, força da gravidade e mudanças na aceleração ou “solavancos”. Ele calcula o tamanho da queda vertical, no escuro, necessário para criar a sensação de emoção: 0,7 segundo ou 2,4 metros. Uma atração de parque de diversões não deve ser uma mera descarga de adrenalina, explica. “Uma montanha-russa é como o cinema ou a música. Quando você deve mudar o ritmo, aliviar o clima? Alfred Hitchcock era mestre nisso: dava ao espectador uma breve catarse antes de levá-lo a algum lugar mais sombrio”. O projeto mais recente dele combina a realidade virtual com um tradicional balanço de parque infantil. Walker diz ser capaz de fazer as pessoas crerem que estão saltando por cima de telhados ou ondulando como uma água-viva. “Estou desenvolvendo maneiras de tirar proveito das forças físicas que os passageiros sentem, fazendo-os acreditar que estão vindo de lugares muito diferentes. A realidade virtual está me permitindo ser realmente inovador – e isso pode ser o futuro das atrações emocionantes, para além das montanhas-russas”. 60 THE JAGUAR

“ UMA MONTANHA-RUSSA É COMO O CINEMA OU A MÚSICA – QUANDO VOCÊ DEVE MUDAR O RITMO, ALIVIAR O CLIMA?” THE JAGUAR 61

 

JAGUAR

JAGUAR MAGAZINE

 

A REVISTA JAGUAR celebra a criatividade em todas as suas formas, com características que inspiram emoção sensorial, do design sedutor até a tecnologia de ponta.

A edição mais recente apresenta algumas pessoas inspiradoras: de Luke Jennings, criador de Villanelle, uma das personagens mais interessantes dos últimos tempos, a Marcus Du Sautoy, que fala se a inteligência artificial está à beira de se tornar criativa. Na estrada, visitamos os EUA para explorar o paraíso gastronômico de Portland em um Jaguar I-PACE, levamos um Jaguar XE ao sul da França para uma visão de fotógrafo da charmosa cidade de Arles, e muito mais.

Na cidade somos todos pedestres.

© JAGUAR LAND ROVER LIMITED 2020

Registered Office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF
Registered in England No: 1672070
Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.